Épocas de semeadura de girassol safrinha após milho, em plantio direto no cerrado tocantinense

Autores

  • Aristoteles Capone Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi
  • Helio B. Barros Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi
  • Elonha R. Santos Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi
  • Adão F. Santos Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi
  • Emerson C. Ferraz Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi
  • Rodrigo R. Fidelis Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v6i3a1151

Palavras-chave:

Helianthus annuus, cultivares, produtividade, palhada

Resumo

O girassol (Helianthus annuus L.) é tradicionalmente considerado como uma cultura de grande plasticidade, apresentando características agronômicas importantes, como tolerância à seca, ao frio e ao calor. Desta forma a cultura adapta-se bem às safrinhas, principalmente com o uso da semeadura direta. O objetivo deste trabalho foi avaliaro desempenho de cultivares de girassol em quatro épocas de semeadura direta sobre palhada de milho na safrinha 2009, no Sul do Estado do Tocantins. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, com 20 tratamentos e três repetições. Os tratamentos foram dispostos num esquema fatorial 4 x 5, quatro épocas: EP1(15/03/2009); EP2(28/03/2009); EP3(09/04/2009) e EP4(01/05/2009); com cinco
cultivares: H250, H251, H358, H360 e H884, sobre palhada de milho. Houve redução em todas as variáveis avaliadas com retardamento da semeadura, exceto para peso hectolitro. Maiores produtividades de aquênios foram obtidas nas épocas de semeadura de março e abril. O cultivar H884 teve o melhor desempenho para a maioria das variáveis analisadas.

Biografia do Autor

Rodrigo R. Fidelis, Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Gurupi

 

 

 

Downloads

Publicado

2022-03-14

Edição

Seção

Agronomia