Sorgo forrageiro em sucessão a adubos verdes na região de Mossoró, RN

Autores

  • Neyton de O. Miranda Universidade Federal Rural do Semiárido
  • Glêidson B. de Góes Universidade Federal Rural do Semiárido
  • Romeu C. Andrade Neto Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária
  • André S. Lima Universidade Federal Rural do Semiárido

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v5i2a683

Palavras-chave:

Sorghum bicolor, massa seca, teor de nutrientes

Resumo

O comportamento do sorgo forrageiro em sucessão a adubos verdes foi avaliado na região de Mossoró, RN. O delineamento utilizado foi em blocos casualizados com três repetições. Os tratamentos consistiram de sete espécies de leguminosas (Mucuna aterrima, Canavalia ensiformis, Cajanus cajan,
Dolichos lab-lab, Crotalaria juncea, Crotalaria spectabilis e Vigna unguiculata) e uma mistura das leguminosas com milho, sorgo e girassol e a vegetação espontânea como testemunha. As cultivares de sorgo forrageiro BR 601 e IPA 467 foram semeadas após a incorporação dos adubos verdes. Foram determinados massa seca da parte aérea dos adubos verdes e do sorgo e os teores de N, P, K, Na, Ca e Mg na parte aérea dos adubos verdes e nas folhas do sorgo. Em relação à testemunha, os adubos verdes favoreceram a produção de massa seca pelo sorgo forrageiro, tendo o melhor desempenho sido proporcionado pela mucuna preta. A mistura das espécies não apresentou vantagem em relação ao seu cultivo isolado. Não foi possível a determinação da influência dos adubos verdes sobre a fertilidade do solo ou a nutrição do sorgo.

Biografia do Autor

André S. Lima, Universidade Federal Rural do Semiárido

 

 

 

Downloads

Publicado

2022-03-16

Edição

Seção

Agronomia