Alterações químicas no solo e no lixiviado em função da aplicação de água residuária de café

Autores

  • Felizarda V. Bebé Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Mario M. Rolim Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • George B. Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Sylvana N. Matsumoto Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Elvira M. Pedrosa Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v5i2a420

Palavras-chave:

aproveitamento de resíduos, Coffea sp, percolado, reuso

Resumo

A água residuária de café (ARC) é rica em matéria orgânica e nutrientes, no entanto, se aplicada em altas doses, pode desequilibrar o complexo sortivo do  solo, bem como contaminar o lençol freático. O presente estudo objetivou-se em avaliar a composição do lixiviado e as alterações químicas no solo com a  aplicação de doses crescentes de ARC. Assim, em 12 colunas de PVC de 10 cm de diâmetro por 100 cm de altura, preenchidas com 80 cm de Argissolo  Amarelo Latossólico, foi aplicada ARC nas doses zero 1070 (testemunha - água), 214 (dose 1), 642 (dose2) e, 1070 mL (dose 3), correspondentes a 1, 3 e 5 vezes a necessidade de K (80 g planta-1 de K2O) requerida pelo cafeeiro em produção. Após a administração da ARC, foram aplicadas duas lâminas de lixiviação com água de abastecimento, aos 60 (lâmina 1) e 75 dias (lâmina 2), e foram coletados os efluentes para a determinação da DQO, CE e análises de K, Na, Ca e Mg solúveis. Após o período de incubação, amostras de solo foram coletadas nas profundidades 0-14; 14-36; 36-55 e 55-80 cm para  determinação da condutividade elétrica do extrato de saturação (CEes) e pH em água (1:2,5), além de análises de K, Na, Ca e Mg. A aplicação de ARC ao solo alterou pH, CEes, K e Na solúveis. Para o lixiviado, houve variação com o tempo de incubação das variáveis CE, K, Na, Ca e Mg.

Biografia do Autor

Elvira M. Pedrosa, Universidade Federal Rural de Pernambuco

 

 

 

Downloads

Publicado

2022-03-16

Edição

Seção

Engenharia Agrícola