Produção de grãos, óleo e proteína nas hastes e ramos da soja sob densidades reduzidas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5039/agraria.v16i1a7439

Palavras-chave:

Glycine max L., produtividade de grãos, arranjo espacial de plantas

Resumo

A redução da densidade de semeadura é uma estratégia que visa reduzir o custo de produção sem prejuízo à produtividade de grãos. O objetivo do trabalho foi avaliar os componentes do rendimento e os teores de proteína e óleo em grãos oriundos de ramos e hastes de duas cultivares de soja em função da redução da densidade de semeadura. Os experimentos foram conduzidos em duas safras (2016/17 e 2017/18) em Londrina, PR. Foram avaliadas duas cultivares de soja: BRS 1010 IPRO e NS 5959 IPRO. O delineamento experimental foi em blocos completos casualizados em esquema de parcelas subdivididas, com 5 repetições. Nas parcelas foram alocadas cinco densidades de semeadura (100, 80, 60, 40 e 20% do indicado pelo obtentor das cultivares) e, nas subparcelas, dois estratos de plantas (ramos e hastes). Com o decréscimo na densidade de semeadura, o número de vagens m-2 e as produtividades de grãos, de proteína e de óleo aumentam nos ramos e diminuem nas hastes. O número de grãos por vagem é maior nas hastes em comparação com os ramos, independentemente da cultivar. O teor de proteína nos grãos é maior nos ramos em relação às hastes para a cultivar BRS 1010 IPRO e diminui com a redução da densidade de semeadura. Para a cultivar NS 5959 IPRO, a massa de mil grãos diminui com a redução da densidade de semeadura. O teor de óleo nos grãos não é influenciado pelos fatores estudados.

Downloads

Publicado

2021-02-24

Edição

Seção

Agronomia